MIRANDA DO DOURO – Un mirar por andrento

Partilhamos um texto de um nossos oradores Alcides Meirinhos:

L outro die nua cumbersa suobre nada i suobre todo nua ruodra d’amigos, cun amigos de amigos, a cierto andar diç assi un tal de Chaínça :

Ah! És de Miranda? Sim , sim .. Conheço, conheço …

Quedei todo amproado porque eilhi staba la proba probada que Miranda benie nos mapas de las cabeças de la gente.

Fica no topo daquela língua de terra plana nascida entre vales profundos e abruptos amuralhada por precipícios que emergem do espelho de água da barragem como setas a apontar o céu. No topo um castelo em ruínas e do outro lado a sé! Imponente a sé, emerge majestática por entre telhados vermelhos das casas de dois andares na encosta voltada a poente.

Más prouisto quedei, la amponéncia de la sé! L castielho, la barraige i l penhedo amarielho … anchi l peito d’aire i nien un garbancico me cabie.

– Anton biste l dous?

– Não, qual dois?

– Bó!! stubiste an Miranda i nun biste l dous? … I l Nino Jasus de la Cartolica? I la Carranca de la Sé? I la Casa de las Quatro Squinas? I la eigreija de la Mezericórdia? I la ruga de la Costanielha?

Pois … sabes, na verdade só lá estivemos uma manhã … de passagem … porque agora com as estradas que há é sempre a “conhecer” locais diferentes.

Quedei cumo quien ceba i nun mata, conhecie Miranda, conhecie … chuoco ye que conhecie. Passou alhá! I apuis diç bien rexerto cun cara de turista biajado por todas las squinas de mundo:

Já lá estive!

Sacou uns retraticos, publicou-los nas redes sociales i ála a meter ambeija! Tunticos. Assi tamien you. You tamien conheço Lyon na Fráncia, mudei alhá de abion mas nun sali de l eiroporto. França?! Anton nun conheço ….

Por outro lhado, tamien hai la outra parte: personas que se antréssan, personas que scugítan todas las buracas an busca nien eilhes sáben mui bien de quei, talbeç l Santo Graal! You que sei… cumo diç un amigo, los segredos nun se assóman a las stradas!

Un pouco cumo un casal a quien l amentórun na Tierra de Miranda. Oubiu dezir que habie ua tierra nuas praineiras para alhá de las sierras, de los montes i de los rius.

– Olha querida, um dia destes marcamos uma ida a Miranda do Douro, dizem que se come lá melhor do que num convento cheio de abades barrigudos.

– Pois, para comer aposta pai que não perdes … marca lá então. Quanto tempo achas que necessitamos para conhecer essa terra? Um fim de semana? Um fim de semana deve dar e ainda podemos dar uma saltada a Zamora ou a Salamanca, afinal ficam tão perto!!

I alhá se botóran a camino pulas nuobas stradas. Fui nun relhampo que alhá se puníran i al fin de tarde apuis duns cerrados i uas cortinas cun boiadas a pacer, al zancubrir por antre freznos i carrascos saliu un …

– Ah!! A Sé!!! Pára! pára!

– Mais ali á fente … espera

I fúran andando cumo nua cuonta de fadas i mouras ancantadas caras a aquel menumento que a essa hora parecie inda maior que l restante de la cidade andrento de las muralhas. Yá staba cerrado mesmo sendo de die, mas an Júlio ls dies son grandes i l sol pon la frunteira de l menumento inda cun más lhuç. Dóran la buolta al redor, pisóran l sagrado i deilhi de riba de la muralha que queda al nible de l sagrado assomóran-se al riu, sereno cumo l bolo de ls alcaforros an redundel cumo bejilantes de l tiempo.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s